Espicaçando o Marketing

Em tempos bicudos, de transformações e mudanças, há que espicaçar. Quem pode espicaçar? Todos e cada um que tem um mínimo de discernimento do presente e sabem que à semelhança do que aconteceu com o Titanic, não tem sentido continuar tocando na orquestra.

terça-feira, abril 04, 2006

Curtas de Terça


Há um programa na AXN (na minha TV é o 2764 Banda C interlock Médio) onde os três protagonistas interagem com o diretor de cena, respondendo a desafios de encenação espontânea. Não dá para combinar, não dá para pesquisar, não dá nem tampouco para pensar. Eles simplesmente começam a criar do nada. Fazem escada e são espertos para pegar as deixas uns dos outros. Apesar da tradução legendada, mesmo quem não acompanha o inglês entra no espírito da coisa.

É o teatro do IMPROVISO. Em inglês é improv .

------

Quando muito jovem, participei de um treinamento evangelístico na minha igreja. Deveríamos sair nas praças e nos arredores da igreja, distribuindo folhetos que tivessem uma mensagem de salvação e de como – nós pecadores – poderíamos chegar aos Céus.

De uma pilha de folhetinhos dobrados, 7 x 11, escolhi aquele que dava mais impacto. Na frente em tintas vermelhas estava escrito: O que fazer para ir para o inferno. O sujeito abria o folheto e a pagina estava em branco. Quase sempre com uma cara bem espantada, ele se voltava para mim e dizia: “Nada!!?”

------

O Teatro Improv ganha espaço nos palcos. Um dos grupos de Nova Iorque chama-se MOTHER (você tem que comprar seu ingresso ntecipadamente). Eles se apresentam na abertura da sessão, acatando a primeira sugestão de tema gritado pelo público. E a partir daí em meio ao caos e à criatividade fazem um espetáculo de dobrar de rir. Cada noite é uma peça diferente. Sem scripts, sem roteiros.

------

No começo do Telemarketing no Brasil, pesquisávamos o jeito ‘certo’ de se criar o diálogo com o cliente, através de scripts cuidadosamente elaborados. Treinávamos os operadores numa abordagem educada e simpática. Era o tal do ‘canned speech’ (fala enlatada). Não durava duas ou três horas. Os operadores eram literalmente obrigados a improvisar e desenvolver novas falas. Os supervisores então desenvolviam novos scripts alternativos, sabendo que nunca seriam suficientes. Cada cliente era um novo cliente, e um novo diálogo.

-----

Garrincha – o mago dos dribles, participa do briefing com Feola, seu técnico alguns minutos antes do jogo internacional. Feola insiste mostrando com gestos e de pé dançando ao redor de uma bola imaginária: “Garrincha, quando o John que é seu marcador cair pela sua direita, force duas vezes pela esquerda e depois dê um drible pela sua direita.”

“O senhor combinou isso com o gringo também?” retrucou nosso astro das pernas tortas.

------

Meu sobrinho pede um livro de citações de marketing de Natal. Respondo para ele que vou lhe dar um livro melhor. Preparo uma capa especial: Conselhos de Marketing para meu Sobrinho. Ele abre efusivamente o livro. Todas as páginas em branco!

3 Comments:

Blogger Fábio Adiron said...

Homens de preto e páginas em branco.

Precisamos de um pouco mais de colorido por aqui...

Fábio

PS : se bem que eu adorei a idéia do folheto

12:49 AM  
Blogger Volney Faustini said...

Duas coisas:

Primeiro que é possivel que o luto venha do fato de tentarmos ser coloridos demais, ao invés de sermos simples e objetivos.

E a outra ... ih ... me deu branco!

7:33 AM  
Blogger pougy said...

Como diz a musica (muito antiga diga-se) branco é branco; preto é preto. Mas a mulata é a tal!!!

A virtude, portanto, está no meio.
Não me julgue mal. No meio como média, equilíbrio.

2:26 PM  

Postar um comentário

<< Home