Espicaçando o Marketing

Em tempos bicudos, de transformações e mudanças, há que espicaçar. Quem pode espicaçar? Todos e cada um que tem um mínimo de discernimento do presente e sabem que à semelhança do que aconteceu com o Titanic, não tem sentido continuar tocando na orquestra.

quinta-feira, março 30, 2006

Venha espicaçar conosco


Espicaçando o Marketing

Existem algumas palavras esquecidas na língua portuguesa que, de tempos em tempos, aparecem de volta em um texto inteligente, numa fala incomum, numa situação inusitada. O verbo espicaçar é uma delas e surgiu numa troca mensagens entre alguns amigos marketeiros que eu tenho, num projeto de discussão séria e conceitual sobre o marketing.

Para lhes poupar o trabalho de ir buscar um dicionário, aí vai a definição : Espicaçar, segundo consta no Houaiss é 1- furar muitas vezes e em muitos lugares; 2- furar repetidamente ou picar com instrumento agudo; 3- tornar aceso, vivo, desperto, atiçar; 4- infligir mágoa, sofrimento a alguém,afligir, magoar, torturar.

Há um dito que afirma que pessoas inteligentes falam sobre idéias; pessoas comuns falam sobre coisas; pessoas medíocres falam sobre pessoas (tentei encontrar o autor da frase, mas não achei, se você souber, me avise).

Acreditamos que o marketing atual está muito preso a discussões sobre pessoas (os marketeiros) e fatos (sempre remoendo os cases que se repetem ad nauseam) e, por isso, começamos a discutir uma forma de voltarmos a ter debates mais conceituais que nos permitam praticar um marketing de mais qualidade e que seja efetivamente ético.

Nossa idéia é a de ter um espaço em que as idéias prevaleçam sobre o achismo. O início desse movimento (se é que esse é o melhor nome para o que estamos fazendo) foi o de criar um blog aberto a esse tipo de discussão, cujo nome é exatamente “Espicaçando o Marketing”. Outras ações e atividades foram pensadas e estão em fase de planejamento operacional. Em breve vamos falar a esse respeito.

A acepção de espicaçar que escolhemos é a de tornar aceso o debate e não simplesmente atirar pedras para todos os lados, mesmo porque, sabemos que o nosso telhado também é de vidro e a nossa prática está sujeita a sucessos espetaculares e desastres catastróficos, logo a acepção de infligir mágoa a alguém está descartada.

Por enquanto somos 5 (nem 3 por que não somos mosqueteiros, nem 4 porque não somos cavaleiros apocalípticos) : eu, Alexandre Chumer, Carlos Pougy, Marcelo Perrone e Volney Faustini. Uma boa amostragem do marketing com idades variando de menos de 30 a mais de 60 anos e experiências bem diversas.

O espaço é aberto, mas não é a casa da sogra, parceiros serão bem vindos, engraçadinhos serão desconsiderados. Você sempre é bem vindo.

4 Comments:

Blogger Volney Faustini said...

É por ai mesmo, Fábio, realizar o diálogo e a discussão de idéias - porque no Marketing não se pode ficar parado.

E usar os diversos sentidos do espicaçar só ajudará a vermos e encararmos a questão de diferentes ângulos com abordagens novas. E quem sabe antecipamos o futuro que já nos alcança!

7:28 AM  
Blogger Gus Erlichman said...

Parabens pela iniciativa. Já está nos favoritos!

12:09 PM  
Blogger Alexandre Chumer said...

Fábio,
Excelente abertura. Acho que você espicaçou o tema com propriedade.

6:10 PM  
Blogger Bruno Scartozzoni said...

Fábio,

Sua colocação é perfeita!

Mas receio que esse fenômeno não seja só do marketing. É a pedagogia da aula teórica contra a pedagogia do trabalho em grupo. Acredita que essa segunda seja o método de ensino dos idiotas.

Nada contra trabalhos em grupo, mas quantas vezes você já não assistiu alguma aula de marketing onde o professor deliberadamente evita dar teoria, para não tornar as coisas mais chatas, e por isso dá um case aqui, um trabalho em grupo acolá...

Não só em aulas de marketing, é claro.

Eu, que estou em agência (não sei onde vocês estão) percebo esse fenômeno até na relação com o cliente. Quantas vezes já não dei embasamentos teóricos à projetos, totalmente ignorados pelo cliente?

Estarei sempre lendo vocês!

10:42 AM  

Postar um comentário

<< Home